home Otras Informaciones
11:39 am – politica – Yammine//
Preocupada com a Turquia, Merkel se encontrará com Erdogan

11:39 am – politica – Yammine//
Preocupada com a Turquia, Merkel se encontrará com Erdogan

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, irá se reunir com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, na próxima segunda-feira, dia 23, em Istambul, em encontro paralelo à cúpula humanitária que será promovida pelas Nações Unidas.

    Informação foi divulgada pelo porta-voz da Chancelaria alemã, Steffen Seibert. Além do acordo entre Ancara e a União Europeia (UE) sobre a crise imigratória que afeta a região, Merkel quer expressar sua preocupação pela democracia turca, enquanto é decidida a suspensão da imunidade parlamentar.

    Se aprovada, a medida pode afetar parlamentares opositores, especialmente pró-curdos.

    “O governo de Berlim acompanha com preocupação a crescente polarização da política interna turca”, disse Seibert, acrescentando que “para a estabilidade de toda democracia, é importante que todos os grupos relevantes da sociedade sejam representados no Parlamento”.

    Merkel, que chegará à Turquia no próximo domingo, dia 22, deve ainda se encontrar com opositores. Novo premier – O porta-voz do partido governista turco, AKP, Omer Celik, anunciou na última quinta-feira, dia 19, o ministro dos Transportes, Binali Yildirim, como candidato único a líder do partido e novo premier, após a saída de Ahmet Davutoglu do cargo.

    A escolha de Yildirim será oficializada no próximo domingo em reunião extraordinária do AKP.

    Segundo fontes ligadas ao governo, a saída de Davutoglu teria sido causada por uma mudança interna da sigla. Nos últimos dias, o premier perdeu o direito de nomear os líderes das províncias turcas, em decisão que ficou para o AKP. Alguns interlocutores afirmam que a medida foi uma imposição do presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, que perdeu a confiança na “lealdade” de Davutoglu em questões sobre o governo. O presidente tenta alterar o sistema de parlamentarismo para presidencialismo, os direitos civis e o diálogo com os grupos rebeldes curdos. (ANSA)

Con información de: Jornal do Brasil